Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BUSSACO

PROPRIA DOMUS OMNIUM OPTIMA

BUSSACO

PROPRIA DOMUS OMNIUM OPTIMA

12
Ago16

HOTEL DO BUÇACO

Peter

fogo 1_edited.jpg

N a sequência dos fogos que lavraram perto da Mata

Nacional os clientes foram retirados do Pallace Hotel

por questões de prevenção, pois de facto, mercê do

trabalho dfos bombeiros o fogo não  chegou a estar

tão perto da floresta de modo a causar uma real

ameaça

15
Mar15

ATRAÇÃO TURISTICA

Peter

028.JPG

Neste singular país  quando não se sabe criar mais nada

criam-se obstáculos  e agendam-se proibições com a

rapidez demoniaca da insensatez. Nesta fotografia da

Fonte Fria, está um exemplo perfeito , traduzido no

impedir a entrada no recinto que a seu tempo foi

rasgado para estacionar. Desde os burros do Barrigo!!!!!! 

Com a chegada da Afundação foi  subtraído a esta

paragem centenária o seu funcional destino. 

Uma obra impar do orgão  gestionário!!!!!????

Para mostrar trabalho?

Para mostrar criatividade? 

Por não haver mais nada que fazer ?

Para não limpar as lamas quando chove?

Para mostrar os galões e sabermos quem manda ali?

Bom, o espaço não serve para mais nada , a não ser

para criar uma zona de conflitos na estrada adjacente

onde passou a acontecer o estacionamento!!!

Isto tem que se lhe diga, talvez seja uma questão 

Kafkiana!!! Que bom era se o mesmo Kafka

fosse atracção de turistas!!!!

 

31
Jan15

LUIGI MANINI

Peter

regaleira1.JPG

( foto Fundação Quinta da Regaleira)

T raçado pelo cenografo italiano Luigi Manini, o mesmo

projectista do Buçaco, o Palácio da Regaleira na quinta

do mesmo nome , pertodo centro de Sintra, é património

classificado. São quatro hectares de lagos e jardins,

vegetação , grutas e construções diversas numa mistura de

estilos onde predomina e neo manuelino do Buçaco.

De resto no Palácio, encontra-se o romântico com o gótico

ou a renascença com o nosso manuelino, uma construção

onde está presente o Buçaco, ou vice versa, tantas são

as identificações visuais ,estéticas, culturais.

As duas obras foram executadas na mesma época, entre

o fim do sec.XIX e o principio do sec.XX. e  fácil é

suspeitar por alguns dos mesmos artistas, tantos são

os elementos comuns. No que pode dizer  respeito a um

cidadão do centro deste país ,as diferenças entre entre

aqueles quatro hectares da Regaleira e os 105 hectares

do Buçaco, para lá da dimensão das obras e dos autores,

mede-seessencialmente pela a situação  geográfica ,

mas muito mais entre a massa crítica duma região centro

distraída  para não dizer outra  coisa, e a massa critica

duma sociedade do municipio de Sintra mais consciente, 

activo e responsavel.

Enquanto ali as coisas andaram para classificação

real do património real, aqui não arrancaram da inércia

balofa das politiquices paroquiais, ninguém percebeu

por exemplo  no pobre municipio onde se encontra ,

que o Buçaco como património é o único valor digno de

registo e com potencialidades para ser visivel no

vasto mundo actual onde poderia  e deveria desenvolver

o seu papel económico .

A sua destruição persistente  tem sido o preferivel ,

contribuindo  mais para a pobreza da própria 

administração local, já de si pobre  de acervo e de ideias. 

Diz o ditado popular que os homens não se medem aos

palmos, é verdade que não, medem-se sim pela capacidade

de perceber o seu mundo e o seu tempo e de antecederem

os outros nas  estratégias necessárias.

Infelizmente milagres , não se podem exigir a ninguém  ,

sobretudonestes tempos conturbados!

28
Jan15

O BUÇACO MUNICIPALIZADO

Peter

 

 

estragos.jpg

Lenhas amontoadas  e largas clareiras a cada passo.

 Se o post anterior mostra um Buçaco visto pela parte

de cima onde o verde tapa o que vai no interior e mostra

um conjunto agradável, esta fotografia  obtida no mesmo

dia mostra o que vai pela parte de baixo , onde os estragos

provocados pelas  intempéries de há dois anos continuam

evidentes  e falhos de intervenção eficaz. 

De ano para ano, a doença cresce e como  no Portugal  dos

nossos dias o dinheiro só chega a  banqueiros e a esta

fundação criada pelo Socrates , agora das romarias ao

templo da Diana ,não chegará verba suficiente

nem insuficiente para recuperar património.

Um faz de conta alías, como o do todo nacional!!!

 

 

 

07
Nov11

O FIM DO VALE DOS FETOS

Peter

 

Três Fetos Arbórios secos e completamente mortos

em Vale dos Fetos, uma jóia do Buçaco.

No local, contamos dezoito nestas condições

e mais alguns a caminho dum fim rápido.

De resto, o conjunto está  num abandono total.

Depois dos azevinhos, os fetos !!!!

Tanta irresponsabilidade é demais !!!!!

 

No Pinhal do Marquês cortaram as àrvores seculares

para venda de lenha e deram lugar á infestação de

acácias que se vê na imagem. Por toda esta encosta da

Mata a acácia reina impunemente!!!!

È mais um infestante na Mata!!!!

Na Fonte Fria, um novo modelo de banco de tampo

invisivel, banco tipo Afundação, enquanto do outro

lado  mais um Feto arbório caminha para a morte.

O cisne, curioso, espreita o banco vazio.

                                                                                         

Enquanto isto  e outras barbaridades se

constatam, de forma mais subtil a Câmara da

 Mealhada tem abertos quatro concursos para

técnicos superioresde Engenharia Florestal,

Engenharia civil,Arquitetura e Comunicação Social ,

acautelando  desta forma a hipotese de

encerramento da Fundação com a colocação

da família politica nos quadrosda Câmara.

 

Mais sobre mim

foto do autor

VISITAS

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D