Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BUSSACO

PROPRIA DOMUS OMNIUM OPTIMA

BUSSACO

PROPRIA DOMUS OMNIUM OPTIMA

05
Abr16

PORTA DA MATA

Peter

porta sjoao.jpg

Buçaco, Porta do Cinema ou de S.João

que se Encontra neste estado desde 2013.

O Estado abandonou a Mata do Buçaco e

a Fundação Socialista criada entre Sócrates

ministro e a Câmara da Mealhada que

continuam a não  ter  dinheiro para  reconstruir

o  património. Nunca o terão, aliás.

Para quem não conheça, trata-se do acesso

pedonal á  Mata, uma longa escada a partir da

vila do Luso ,que começa no topo  nascente da

Avenida  Emidio Navarro, junto ao antigo 

cinema,   e termina na ruína do muro conforme

se vê na foto batida na tarde de hoje.

O cinema, propriedade da mesma autarquia, é

também uma ruína  a cair lentamente.

Assim se trata o património local…!

 

 

19
Set15

SACRAMENTO

Peter

CSC_0753[1].jpg

De Caifaz ao Santo Antão  é um  passo, mas embora

não pareça entre os dois pontos de observação estão

as Portas de Coimbra. Visto mais ou menos de helicóptero

dá isto que está aqui.

... ... ... ... ... ...

Já subi o Marão, vi  o Gerês,

cruzei ousado os serros dos Herminios

e o peito dilatou-se ao montanhez,

como ás àguias se espraiam os domínios...

 

Ao Bussaco! do vértice sereno

parece enamorar-nos o infinito!

palpita a luz na relva e no granito!

troque-se o monte pelo vale ameno.

 

E fomos assentar-nos à Cruz Alta.

 ... ... ... ... ...   

  (Cândido Figueiredo)

 

 

31
Jan15

LUIGI MANINI

Peter

regaleira1.JPG

( foto Fundação Quinta da Regaleira)

T raçado pelo cenografo italiano Luigi Manini, o mesmo

projectista do Buçaco, o Palácio da Regaleira na quinta

do mesmo nome , pertodo centro de Sintra, é património

classificado. São quatro hectares de lagos e jardins,

vegetação , grutas e construções diversas numa mistura de

estilos onde predomina e neo manuelino do Buçaco.

De resto no Palácio, encontra-se o romântico com o gótico

ou a renascença com o nosso manuelino, uma construção

onde está presente o Buçaco, ou vice versa, tantas são

as identificações visuais ,estéticas, culturais.

As duas obras foram executadas na mesma época, entre

o fim do sec.XIX e o principio do sec.XX. e  fácil é

suspeitar por alguns dos mesmos artistas, tantos são

os elementos comuns. No que pode dizer  respeito a um

cidadão do centro deste país ,as diferenças entre entre

aqueles quatro hectares da Regaleira e os 105 hectares

do Buçaco, para lá da dimensão das obras e dos autores,

mede-seessencialmente pela a situação  geográfica ,

mas muito mais entre a massa crítica duma região centro

distraída  para não dizer outra  coisa, e a massa critica

duma sociedade do municipio de Sintra mais consciente, 

activo e responsavel.

Enquanto ali as coisas andaram para classificação

real do património real, aqui não arrancaram da inércia

balofa das politiquices paroquiais, ninguém percebeu

por exemplo  no pobre municipio onde se encontra ,

que o Buçaco como património é o único valor digno de

registo e com potencialidades para ser visivel no

vasto mundo actual onde poderia  e deveria desenvolver

o seu papel económico .

A sua destruição persistente  tem sido o preferivel ,

contribuindo  mais para a pobreza da própria 

administração local, já de si pobre  de acervo e de ideias. 

Diz o ditado popular que os homens não se medem aos

palmos, é verdade que não, medem-se sim pela capacidade

de perceber o seu mundo e o seu tempo e de antecederem

os outros nas  estratégias necessárias.

Infelizmente milagres , não se podem exigir a ninguém  ,

sobretudonestes tempos conturbados!

28
Jan15

O BUÇACO MUNICIPALIZADO

Peter

 

 

estragos.jpg

Lenhas amontoadas  e largas clareiras a cada passo.

 Se o post anterior mostra um Buçaco visto pela parte

de cima onde o verde tapa o que vai no interior e mostra

um conjunto agradável, esta fotografia  obtida no mesmo

dia mostra o que vai pela parte de baixo , onde os estragos

provocados pelas  intempéries de há dois anos continuam

evidentes  e falhos de intervenção eficaz. 

De ano para ano, a doença cresce e como  no Portugal  dos

nossos dias o dinheiro só chega a  banqueiros e a esta

fundação criada pelo Socrates , agora das romarias ao

templo da Diana ,não chegará verba suficiente

nem insuficiente para recuperar património.

Um faz de conta alías, como o do todo nacional!!!

 

 

 

15
Jan15

GRADES

Peter

11.jpg

Se te cantar é como uma prisão

onde te vejo imerso em  abandono

incuria  e mais que isso podridão

do vento não, das garras do teu dono.

 

se te cantar com mágoa e com saudade

me encharco nas ranhuras dos teus veios

falta-te a luz a cor  a urbanidade

a tensão eriçada dos teus seios.

 

e das grades que tomas com brandura

estreitas verde painel dos teus segredos

talvez um dia nasça o sol, altura

 

de  te vestires e adornares os dedos

de endireitares os troncos e a postura

de natureza livre  em mil aedos.

 

Mais sobre mim

foto do autor

VISITAS

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D